A Importância da Estimulação Psicomotora no Berçário e na Educação Infantil

A estimulação psicomotora no Berçário e na Educação Infantil é de suma importância para o desenvolvimento global das crianças. O bebê conhece o mundo através de suas percepções e movimentos

e, progressivamente, vai aperfeiçoando esses movimentos e adquirindo habilidades, passando de um estágio de sensações à construção de uma vida psíquica elaborada.

Nessa fase, o bebê manifesta suas emoções através de movimentos, mímicas, códigos visuais e sinais, que os pais e profissionais terão que aprender a reconhecer para poderem se relacionar com o bebê.

De 0 a 1 ano e três meses, o bebê passa por diversas transformações motoras que o preparam para obter uma boa postura e sustentação durante a marcha.

Com isso, a prática da estimulação psicomotora, dos cuidados e das experiências interativas intencionalmente produzidas e intermediadas pelos responsáveis e escolas, tem grande  importância nos vínculos afetivos e no amadurecimento neuropsicomotor do bebê no futuro. Toda experiência precoce é fundamental para a criação de uma base psicomotora, através da qual ele desenvolve sua independência, autonomia e maturidade sócio-emocional.

Portanto, no  Berçário, organizamos uma rotina de atividades que incentivam os aspectos motor, cognitivo, afetivo e social, baseadas em experiências cotidianas, que mostram que um bebê estimulado de forma consciente e adequada se adapta com maior facilidade ao contexto escolar. 

Padrões Motores para o Desenvolvimento da Postura nas Diversas Fases do Bebê 

 No berçário, acompanhamos as diversas fases do desenvolvimento motor do bebê da seguinte maneira: 

0 a 4 meses: controle dos músculos óculo-motores e equilíbrio da cabeça (fixar o olhar a partir de um estímulo, acompanhar objetos com a cabeça, ficar de bruços, rolamentos, fazer movimentos reflexos, etc);

5 a 10 meses: desenvolvimento dos músculos do tronco e dos braços (sentar, explorar objetos, deslocar-se para frente, engatinhar, erguer e baixar objetos, etc);

10 meses a 1 ano e três meses: fortalecimento de pernas para posição bípede e marcha com e sem apoio de objetos, até a aquisição de autonomia de movimento.

 É de suma importância respeitar cada fase de desenvolvimento do seu bebê, pois “pular” alguma das fases pode ocasionar falta de estímulos neurológicos de base na criança, como, por exemplo: gagueira, falta de equilíbrio, de coordenação, de tônus, dentre outros. Por isso, em casa; os pais devem continuar a estimular seus filhos, deixando-os livres e com brinquedos para que possam desenvolver um bom equilíbrio corporal.

Além disso, não só nessa fase, mas até os 6 anos, estimulamos todas as áreas do conhecimento para garantir o desenvolvimento global dos nossos alunos, fazendo com que a criança experimente diversos materiais, texturas e sensações corporais para maior equilíbrio motor, afetivo e cognitivo. 

Um trabalho de base efetivo nos primeiros anos de vida, traz grandes benefícios ao longo de toda a vida da criança. 

Abaixo segue o vídeo explicativo da TVHDN, de algumas atividades de estimulação psicomotora para bebês.

Leave a Reply